Evento discute empreendedorismo e inovação na Zona da Mata

10 out
22345143_1470728182975571_270940131_o

Os empreendedores e rotarianos Antônio Rotondo e João Carlos Batista na abertura do 2º Encontro de Empreendedorismo e Inovação

Investir, inovar e empreender, o 2º Encontro de Empreendedorismo e Inovação reuniu 500 pessoas, entre empresários, empreendedores individuais e estudantes. O evento ainda arrecadou 210 kg de alimentos não perecíveis, para serem distribuídos pelo Rotary Club Juiz de Fora Norte à uma entidade de natureza filantrópica. Na ocasião apresentou-se o caso de gestão da Fazenda Penalva, dirigida por Manoel Teixeira Lopes. O evento ocorreu no dia 21 de setembro, no Gran Victory Hotel, organizado pela Treinar Gestão Empresarial em parceria com o SEBRAE-MG e a Rocha Lobo Gestão de Negócios.

João Carlos Batista, da Treinar, destacou que o objetivo principal do encontro foi o compartilhamento de informações que incentivam as empresas alavancarem seus negócios com empreendedorismo e inovação.

O evento ofereceu consultoria e orientação para aqueles que pensam em investir ou criar seu próprio negócio, gestores e entidades de classe. “Nesse evento os empresários e estudantes puderam conhecer exemplos tanto em empreendedorismo quanto em inovação, que mostram que eles também podem empreender e fazer diferente na região”, enfatizou João Carlos Batista.

Foram homenageadas entidades representativas de Juiz de Fora e região, como a Associação Comercial e Empresarial de Juiz de Fora (ACEJF), Agência de Desenvolvimento de Juiz de Fora e Região (ADJFR), Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e o Sindicato do Comércio (Sindicomercio)

A Fazenda Penalva, empreendimentos agrícola no município dirigido por  Manoel Teixeira Lopes foi apesentada como um caso de sucesso.

22385250_1470728142975575_251505603_n

O rotariano Manuel Teixeira Lopes exibe a homenagem recebida pelo case apresentado, sobre a Fazenda Penalva

Rotary no apoio ao empreendedorismo e a inovação

Um dos principais pilares do Rotary International é o Desenvolvimento Econômico e Comunitário.

22343792_1470728162975573_306581109_o

Integrantes do Rotary Clube Juiz de Fora Norte prestigiam o 2º Encontro de Empreendedorismo e Inovação

Para o rotariano João Carlos Batista, o “é fundamental, como rotarianos, incentivarmos a difusão do empreendedorismo. Desta forma estamos apoiando a geração de mais emprego e renda.”

Entre as principais ações estimuladas pela Fundação Rotária estão a capacitação de empresários e líderes comunitários para desenvolver a economia de comunidades carentes e o apoio aos estudos ligados ao desenvolvimento econômico e comunitário.

Anúncios

Empresas no combate ao Aedes Aegypti

21 set
Luiz Cavalini Jr., Fábio Pereira, Maria Aparecida Bara ( RCJFN), João Mattos da Secretaria de Planejamento da PFJ, Rodrigo Almeida, da Secretaria de Saúde da PJF, Alicério Campos e João Carlos Batista RCJFN)

Luiz Cavalini Jr., Fábio Pereira, Maria Aparecida Bara ( RCJFN), João Mattos da Secretaria de Planejamento da PFJ, Rodrigo Almeida, da Secretaria de Saúde da PJF, Alicério Campos e João Carlos Batista RCJFN)

Com a chegada da primavera, os termômetros passam a registrar temperaturas mais elevadas, bem como índices pluviométricos maiores. As gripes e resfriados dão espaço a uma ameaça ainda maior: o Aedes Aegypti.

O índice de infestação pelo Aedes Aegypti atinge valores elevados em todo o país e, em Juiz de Fora não é diferente: de acordo com dados da Secretaria de Saúde do município, Juiz de Fora tem um Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 4,8%. Infestações inferiores a 1% apresentam que a cidade está em nível satisfatório enquanto as superiores a 4% apontam que há risco de surto de dengue.

Diante de um cenário alarmante para os juiz-foranos, o combate ao Aedes Aegypti deve ser constante e necessita de mais envolvimento de todos os setores da população.

O Rotary Club Juiz de Fora Norte está abraçando a causa do combate ao Aedes Aegypti em Juiz de Fora. A iniciativa teve início em setembro passado e é retomado neste ano com a necessidade de trazer para a Opinião Pública o tema.

“O Rotary possui grande potencial para fortalecer a luta contra o Aedes Aegypti. “O trabalho que o Rotary pode desenvolver é grande, pois trata-se de expor ideias, incentivar a colaboração dos líderes e da sociedade e formar opiniões a respeito disso, para que as respostas apareçam para resolver o problema”, comenta, Maria Aparecida Barra, uma das entusiastas da campanha.

A partir das reuniões frequentes com os órgãos públicos, o Rotary Juiz de Fora Norte terá a oportunidade de planejar e realizar ações que ajudem a população a enxergar os riscos relacionados à proliferação do Aedes Aegypti e colaborar para que Juiz de Fora não viva uma epidemia a cada ciclo de ação do mosquito.

Plano de combate para as empresas

O combate ao mosquito transmissor da dengue, chikungunya e do zika vírus é uma necessidade. É uma luta que não pode prescindir também a participação das empresas. Desde pequenos estabelecimentos de comércio até grandes indústrias e lavouras, todos estão sujeitos a, involuntariamente, abrigarem focos da doença.

Elizabeth Jucá, Secretária Municipal de Saúde, enfatiza a relevância da atuação das empresas no combate ao mosquito: “Como apontou historicamente o Levantamento do Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRa), 80% dos focos estão dentro das casas, comércios e empresas. Portanto, o papel de cada um no cuidado de seus espaços para evitar os locais propícios aos criadouros do mosquito é essencial.”.

Confira abaixo uma série de ações que podem ser implementadas nas empresas para o combate ao Aedes:

Infográfico

Aedes do bem

Juiz de Fora é a primeira cidade mineira e a segunda do Brasil a adotar a tecnologia do Aedes do Bem. O Aedes do Bem é um mosquito geneticamente modificado, para combater o inseto selvagem transmissor de doenças como dengue, zika, chikungunya e febre amarela urbana.

O inseto modificado (machos) são soltos no ambiente. Eles buscam e copulam com fêmeas originais do Aedes Aegypti e, assim, sus descendentes nascerão com um gene autolimitante, que faz com que morram antes de se tornarem adultos.

aedes do bem carlos mendoncapjf1

O Aedes do Bem será implantado, inicialmente, em três bairros, Vila Olavo Costa, Santa Luzia e Monte Castelo, beneficiando cerca de 10 mil pessoas. Foto: Carlos Mendonça/PJF.

Nos próximos anos, o projeto Aedes do Bem deverá ser ampliado para proteger cerca de 50 mil habitantes de Juiz de Fora.

O primeiro projeto foi colocado em prática em 2015, em Piracicaba (SP). Antes disso, outras experiências foram realizadas com sucesso em duas cidades baianas, Juazeiro e Jacobina.

Entenda como as mudanças na legislação do Rotary Club podem contribuir para sua flexibilização

30 ago

Em uma conferência realizada neste ano em Atlanta, associados do Rotary Club Juiz de Fora Norte puderam ter contato e entender com mais clareza o aumento da flexibilidade para os clubes, determinado junto às novas legislações em abril de 2016. A iniciativa, que está sendo divulgada em clubes do mundo todo, surgiu de uma preocupação em relação à organização, sua expansão e à manutenção dos associados.

Guilherme Côrtes Fernandes conversa com os associados do Rotary Club Juiz de Fora Norte sobre a flexibilidade para os clubes.

Guilherme Côrtes Fernandes conversa com os associados do Rotary Club Juiz de Fora Norte sobre a flexibilidade para os clubes.

O responsável por trazer o debate para o Rotary Club Juiz de Fora Norte foi o associado Guilherme Côrtes Fernandes, que esteve presente em Atlanta e pôde ter contato com as novas propostas. Em sua palestra de divulgação, realizada na reunião do dia 25 de julho, Guilherme apresentou uma pesquisa realizada na Jamaica para entender quais eram as motivações dos rotarianos e o que poderia ser melhorado em relação às experiências do clube.

A partir da melhoria da comunicação entre clubes e associados, começou-se a esclarecer quais eram os problemas que os afetam e possíveis soluções. Como principais motivações em relação à entrada no clube, o palestrante destacou respostas como a busca por companheirismo, boas palestras, networking e ações em prol da sociedade. “A grande maioria entra no clube porque quer causar impacto em suas cidades ou pelo companheirismo”, explica Guilherme.

Além disso, também foram expostas as principais justificativas para que os associados deixem o Rotary. Com esses dados em mãos, foi possível enxergar a importância da flexibilidade e como os clubes podem se adaptar para oferecer o melhor para os rotarianos e seus projetos. Sendo assim, desde julho de 2016, torna-se possível para cada clube determinar o formato e a frequência de suas reuniões, quais os tipos de associação oferecerá e se realizará reuniões de forma tradicional ou por meios online, além da dupla associação para rotaractianos que atendam aos requisitos tenham interesse em fazer parte do Rotary.

Palestra teve como objetivo apresentar a importância da flexibilidade para a organização.

Palestra teve como objetivo apresentar a importância da flexibilidade para a organização.

A ideia é que os clubes trabalhem com maior autonomia, sem deixar de lado o objetivo principal da organização. Com isso, as reuniões podem se tornar mais dinâmicas, interativas e práticas ao serem adaptadas de acordo com as necessidades de cada clube e dos rotarianos. Alguns exemplos mostrados pelo palestrante apresentam formatos mais descontraídos de transmitir conhecimentos e informações, como jogos e brincadeiras.

De acordo com o que foi relatado pelo Rotary Internacional após a modificação da legislação, as mudanças não refletem de forma negativa na qualidade do trabalho desenvolvido pelo Rotary e não fogem de seus preceitos essenciais. “Continuamos mantendo o que a tradição trouxe de bom e de construção ao longo da história”, afirma Guilherme.

Rotary Club Juiz de Fora colabora no Lar de Idosos Luiza de Marilac

12 jul

A assistência aos idosos oferecida pelo Lar de Idosos Luiza de Marillac começou nos anos 40 por meio do trabalho desenvolvido pelas Luizas, jovens coordenadas pelas Irmãs da Congregação das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo. As atividades se iniciaram com visitas e doações de mantimentos para idosos carentes de Juiz de Fora. Posteriormente, com a doação de um terreno por parte da prefeitura, a instituição foi erguida e inaugurada nos 70.

IMG_20170718_195456444

Wolfgang Mayer, Maria Fátima Fabri, Manoel Teixeira Lopes, Luiz Cavalini Jr, Sônia Elizabeth Perdigão e o presidente, Fábio Antônio Pereira, na entrega dos folders.

Hoje, o Luiza de Marillac atende 25 idosos que residem na instituição e recebem toda a atenção no que diz respeito a saúde, alimentação, higiene e atividades sócio-culturais. Por desenvolver serviços sem fins lucrativos, o Lar necessita frequentemente da atuação de voluntários e doações.

Para auxiliar na divulgação das atividades da instituição, o Rotary Club Juiz de Fora Norte realizou a entrega de folders, no dia 18 de julho, desenvolvidos com o objetivo de apresentar a história e os projetos do local. Os associados Luiz Cavalini Jr e Manoel Teixeira Lopes foram os responsáveis pela execução e impressão dos folders, respectivamente. Além disso, os rotarianos também firmaram a parceria com outras doações e participação em eventos para arrecadação de fundos para o Lar.

IMG_20170718_195813678

A Diretora do Lar, Sônia, agradece a parceria com o Rotary Juiz de Fora Norte.

Em seu discurso de agradecimento, a diretora do Lar, Sônia Elizabeth Perdigão Neves, falou sobre a importância de cada projeto realizado em prol da instituição e das conquistas que estão mudando a realidade dos moradores. “O pouco de cada um é o muito que precisamos por lá”, afirma Sônia.

Os serviços voluntários podem ser desempenhados em diversas áreas, principalmente no atendimento à saúde dos idosos e no desenvolvimento de projetos que visam reformar as moradias e levar mais benefícios para os moradores. As doações para os projetos da casa podem ser feitas por meio de carnê mensal ou por depósito bancário.

IMG_20170724_180845637~2

Folheto para divulgar o trabalho desenvolvidos pelo Lar de Idosos Luiza de Marillac.

A instituição está localizada na rua Furtado de Menezes, 47 – A, no bairro Furtado de Menezes. Quer saber mais sobre suas atividades? Entre em contato por meio do telefone (32) 3211-2902, pelo e-mail larluizademarillac@gmail.com ou visite a página no Facebook.

 

Fábio Antônio Pereira assume a Presidência do Rotary Club Juiz de Fora Norte

5 jul

A nova Presidência e Conselho Diretor do Rotary Club Juiz de Fora Norte assumiu oficialmente os cargos para a gestão 2017-2018. A cerimônia de posse ocorreu dia 4 de julho no Gran Victory Hotel. Foi o momento de transição em que a presidente da gestão 2016-2017, Maria Aparecida de Oliveira Barra, transferiu as responsabilidades de seu cargo para o novo presidente, Fábio Antônio Pereira.

Rafael Bez, Moacyr Maciel, Duarte Fernandes, Mary Fernandes, Fábio Pereira, Maria Aparecida Bara, Graça Pereira, José Castelo, Antônio Guedes, Lillian Carla

Rafael Bez, Moacyr Maciel, Duarte Fernandes, Mary Fernandes, Fábio Pereira, Maria Aparecida Bara, Graça Pereira, José Castelo, Antônio Guedes, Lillian Carla

Maria Aparecida Bara disse que “Ser rotariano é ser heterogêneo na sua forma, tendo uma única característica que nos une: a doação para servir, este é o nosso alicerce. Quando associamos a ela a nossa interação e companheirismo, nos tornamos insuperáveis”. A presidente da gestão 2016-2017 também relembrou os projetos realizados ao longo do ano e agradeceu aos associados que fazem parte do Rotary Club Juiz de Fora Norte.

Maria Aparecida passou o distintivo de Presidente para Fábio, que deu início ao ano rotário com seu primeiro discurso. Em sua fala, deu destaque para a sua motivação para ocupar o cargo: “Enquanto estiver presidente deste honrado clube, darei o melhor de mim, com muito amor e simplicidade, assim como sou”, afirma Fábio.

DSCN2885

Maria Aparecida de Oliveira Barra entrega o distintivo de Presidente para Fábio Antônio Pereira.

O novo presidente também enfatizou a dedicação e o trabalho realizado pelos presidentes anteriores e destacou o comprometimento de cada rotariano frente ao clube. “Rotary somos nós, e cada um de nós, ao ingressarmos neste movimento, consagramos uma filosofia de vida, assumimos uma nova postura, fortalecendo assim nossa missão”, destacou ao fim de seu discurso.

Junto ao novo presidente, o conselho diretor de 2016-2017 também tomou posse. Rafael Steckert Bez assumiu o cargo de Vice-Presidente, Maristela Amaral Horta Barbosa de Diretora de Protocolo, João Carlos Batista como 1º Secretário, Jarbas de Souza Júnior como 1º Tesoureiro e a ex-presidente, Maria Aparecida de Oliveira Barra, como Diretora sem Pasta.

Todo o conselho durante a transmissão do cargo de Maria Aparecida para Fábio.

 

O governador 2009-2010, José Antônio Cúgula Guedes, realizou o discurso de saudação ao novo presidente, enfatizando a importância desse momento para o Rotary Club. “No momento em que nós assistimos a posse de um presidente, estamos prontos para ajudá-lo no que vier”, afirmou o ex-governador. Cúgula também desejou que Fábio desse continuidade ao trabalho realizado pela ex-presidente, Maria Aparecida, para o bem da nossa comunidade.

Coronel Pacheco: uma cidade que respira música

15 jun
DSCN2779

Participantes do Conjunto de Cordas Camilo dos Santos se apresentam junto à Orquestra da Associação Música no Interior

A pequena cidade mineira de Coronel Pacheco recebeu, no fim de 2015, um projeto que mudou o aprendizado nas escolas e a forma como seus moradores têm contato com a cultura. O Programa de Musicalização Manoel Leão, que começou com aulas de flautas para alunos de instituições públicas, ganhou força com a criação do Conjunto de Cordas Camilo dos Santos e hoje beneficia crianças, jovens e adultos com talento para a música.

O projeto existe com o objetivo de ampliar o conhecimento e divulgar a música para a comunidade. “Foi uma forma de estimular o desenvolvimento sociocultural, transpondo através da música suas expressões de sentimentos e pensamentos. Apesar de ser uma cidade com poucas opções culturais o projeto está tendo uma boa aceitação e uma efetiva participação e empenho por partes dos alunos” afirma a Secretária de Cultura de Coronel Pacheco, Alexsandra Aparecida Silva Rezende.

DSCN2649

Apresentação do Conjunto de Cordas Camilo dos Santos

A ideia de expandir a cultura na cidade surgiu a partir da iniciativa da atual presidente do Rotary Club Juiz de Fora Norte, Maria Aparecida Barra, em 2009. Mas o projeto, que nunca foi esquecido pelo clube, só conseguiu ganhar forma em 2015 com a parceria feita com prefeitura da cidade e o Camilo dos Santos, que doou 20 violinos e 10 violões para realização das aulas. Com a estrutura montada, a prefeitura convidou o maestro João Paulo Fazza para estar à frente do trabalho. “O maestro levou as flautas para as escolas para começar a musicalizar as crianças e a partir do momento em que as crianças começam a mostrar o perfil, ele vai introduzindo os violinos”, conta a presidente.

DSCN2669

Apresentação de flautas do Programa de Musicalização Manoel Leão

Hoje o projeto ganha novas perspectivas e preza pelo talento dos jovens para a música. “A ideia é que no final do quinto ano a gente selecione crianças que o professor vê que têm aptidão musical para iniciarem em outros instrumentos”, explica o maestro. Esse foi o caso de Mariana dos Santos Machado da Silva, que tem 11 anos e está no sexto ano da escola. “Participo há uns cinco ou seis meses e comecei a me interessar quando o João Paulo me chamou por tocar flauta muito bem”, conta ela sobre o início das aulas de violino.

O estudo musical também reflete de forma positiva no aprendizado dentro da escola, uma vez que as crianças têm o desenvolvimento cognitivo, melhoram a habilidade de leitura e a concentração. “A eficácia da música dentro das escolas é notória e vemos o resultado em pouco tempo. O trabalho da flauta doce é o primeiro contato musical e a partir daí vamos para outros instrumentos mais complexos, que exigem concentração e disciplina”, comenta o maestro. Com o ensino de outros instrumentos, as crianças vão ganhando a oportunidade de se desenvolverem e enxergarem a música em seus futuros.

De mãe para filhas

O projeto de musicalização não só encantou as crianças, como também passou a fazer parte da realidade dos adultos. Lilian Fernandes começou a participar das aulas de violão quando o programa chegou à Coronel Pacheco e se tornou exemplo para suas duas filhas: Maria Fernanda, que tem 9 anos e está aprendendo violão, e Lara, que tem 11 anos e toca violino no conjunto de cordas.

A mãe, que sempre gostou de música, hoje aprende e acompanha os resultados da participação das filhas, que refletem no próprio projeto, na escola e na convivência em casa. “A música abre espaço não só para a alegria, mas também para a comunicação e está relacionada na forma como você vê o mundo e trata as pessoas”, afirma Lilian.

IMG_20170603_162606946

Lilian Fernandes e suas filhas, Maria Fernanda e Lara

Mostras Musicais

Ao longo de mais um ano e meio de projeto, foram realizadas duas mostras musicais na cidade que apresentaram ao público o trabalho desenvolvido pelo programa de musicalização. A primeira aconteceu em 19 de novembro de 2016 e a segunda em 03 de junho de 2017. Com essas duas apresentações, pais, professores e associados do Rotary Club Juiz de Fora Norte puderam presenciar a evolução das crianças que ganham cada vez mais experiência no universo musical.

DSCN2679

Alunos de violão, violino e flauta fazem apresentação para a comunidade de Coronel Pacheco e associados do Rotary Club Juiz de Fora Norte

A última apresentação, em junho deste ano, contou com a participação das crianças que aprendem flauta, do Conjunto de Cordas Camilo dos Santos e da Orquestra da Associação Música no Interior, formada por alunos de outras cidades da região. “A nossa orquestra hoje, que possui membros de várias cidades, funciona nesse sentido: de pegar os melhores, os destaques de cada lugar, e fazer essa junção para se tornar uma referência”, afirma João Paulo. São João Nepomuceno, Guarani, Rio Novo, Descoberto e Piau ajudam a compor a orquestra que também faz parte do desenvolvimento cultural de Coronel Pacheco.

Gerson Guedes faz palestra sobre os 167 anos de Juiz de Fora

31 maio

IMG_20170530_195851698

O artista Gerson Guedes realiza palestra sobre a história de Juiz de Fora.

O artista Gerson Guedes apresenta suas obras para contar a história de Juiz de Fora. (Fonte: acervo de Gerson Guedes)

Em comemoração aos 167 anos de Juiz de Fora, o Rotary Club Norte recebeu, na reunião do dia 30 de maio, o artista Gerson Guedes para uma palestra que conta a história da cidade. A apresentação intitulada “Juiz de Fora: linhas e cores da história” reúne informações a partir das exposições feitas por Gerson, da linguagem da pintura, além de estudos que resultaram em teses, dissertações e obras de autores famosos na região, como Murilo Mendes.

Obra retrata a fazenda onde morou o Juiz de Fora. (Fonte: acervo de Gerson Guedes)

Em sua fala, Gerson fez uma viagem no tempo, mostrando seus trabalhos vinculados aos registros históricos. “Meu trabalho sempre foi calcado em Juiz de Fora como a cidade polo da Zona da Mata”, explica ele. A linha cronológica construída começa na vinda dos portugueses para o Brasil, relatando fatos marcantes e muito conhecidos pelos brasileiros: o contato com os índios, o cultivo do pau-brasil e da cana-de-açúcar até chegarem ao ouro, que era o principal objetivo.

Com a mudança do eixo econômico do Nordeste para o Sudeste, a mineração começa a crescer e resultar no desenvolvimento do atual estado de Minas Gerais. Uma das consequências mais marcantes é a construção da Estrada Real, cujo caminho novo ia de Ouro Preto ao Rio de Janeiro, passando pela área que receberia o nome de Juiz de Fora. Por ser uma região muito propícia para a parada dos tropeiros, as margens do Rio Paraibuna começaram a receber ranchos e, mais tarde, as cidades que o rodeiam.

mapa caminho novo

Mapa apresentando o Caminho Velho e o Caminho Novo. (Fonte: arquivo de Gerson Guedes)

A origem do nome da cidade também é explicada pela vinda de Luiz Fortes Bustamante de Sá, o Juiz de Fora, para a região. Segundo Gerson, ele deixa o cargo administrativo em 1713 e compra os terrenos que correspondem à parte da cidade. “Vamos parar nos ranchos e fazendas do Juiz de Fora” era uma frase comum para quem percorria o caminho novo na época, como relata o artista.

casa do juiz de fora

Fazenda onde morou o Juiz de Fora. (Fonte: (Fonte: arquivo de Gerson Guedes)

Em sua linha cronológica, Gerson Guedes também destacou a importância das famílias Vidal e Tostes para o desenvolvimento da região, que se tornou uma vila em 31 de maio de 1850, e uma cidade em 1856. Na época, o cultivo do café, conhecido como “ouro verde” foi um grande influenciador para que isso acontecesse.

Quadro retrata o período do “Ouro Verde” em Juiz de Fora. (Fonte: acervo de Gerson Guedes)

Ao longo da história, alguns nomes famosos na cidade também ganham destaque para o crescimento da região, como o do alemão Henrique Halfeld, engenheiro que chegou até Juiz de Fora em 1836 para melhorar o caminho novo, e Mariano Procópio, que construiu a primeira estação rodoviária da cidade no bairro que leva seu nome. O período de industrialização, que começa em 1883, também ganha destaque e fornece à cidade o apelido de Manchester Mineira.

mapa de jf

Mapa da cidade em 1853. (Fonte: arquivo de Gerson Guedes)

Segundo Gerson, Juiz de Fora recebeu a primeira fábrica do Brasil a funcionar em três turnos graças a chegada da energia elétrica. Bernardo Mascarenhas, outro nome importante para a cidade, foi o responsável por instalar energia elétrica a um baixo custo. Gerson encerrou sua fala apontando novos trabalhos inspirados na cidade de Juiz de Fora.

Obra retrata o período da chegada da ferrovia e das estações. (Fonte: acervo de Gerson Guedes)

 

Rotary Club Juiz de Fora Norte entrega 300 enxovais para a Maternidade Viva Vida

23 maio

IMG_20170523_204526619

Rotary Juiz de Fora Norte entrega 300 kits de enxovais para a equipe da Maternidade Viva Vida.

A Equipe da Maternidade Viva Vida, do Hospital João Penido esteve no Rotary Juiz de Fora Norte, para receber dos 300 kits com enxovais para recém-nascidos. Anualmente, o clube realiza essa doação que, neste ano, contou com fundos arrecadados em um show de prêmios organizado pelos rotarianos em abril. Os kits, que contam com roupinhas, agasalhos e mantas, são doados para gestantes que não possuem condições financeiras de montar os enxovais para seus filhos.

 

Em seu agradecimento, o médico coordenador da área de obstetrícia do hospital, Leonardo Pandolfi Caliman, destaca que, apesar das dificuldades, a equipe da maternidade consegue desenvolver um trabalho muito interessante com as gestantes, principalmente ao contar com parcerias como a do Rotary. “A maioria das nossas pacientes precisa dessa ajuda, então vocês não imaginam o quanto isso tem valor para nós”, afirma ele.

IMG_20170523_210247297 2

O médico coordenador da área de obstetrícia do Hospital João Penido, Leonardo Pandolfi, faz o discurso de agradecimento em nome da Maternidade Viva Vida.

O presidente da comissão de Assuntos Humanitários do Rotary Juiz de Fora Norte, Moacyr Maciel, também destacou a importância do projeto para o clube e sua continuidade durante tantos anos: “Me sinto um vitorioso por cinco anos dando sequência a este trabalho”. Além da doação dos kits, também foi feita a doação de um fogão para a Casa das Gestantes, que também faz parte hospital. A Casa recebe gestantes que não são internadas, mas que precisam ser assistidas. Com a entrega do fogão, a equipe do hospital conseguirá habilitar a casa e terminar de equipar o local.

IMG_20170523_200629025

Moacyr Maciel convida a assistente social da maternidade, Eloísa Helena do Vale, para receber o fogão doado à Casa da Gestante.

O discurso em nome do clube também contou com a participação de Luiz Carlos Heidenheich, um dos rotarianos que está à frente do projeto. Além de enfatizar a importância do projeto para as gestantes e os recém-nascidos, ele destaca o significado da palavra solidariedade, principalmente para o trabalho desenvolvido no clube. “Ao desenvolvê-la em sua plenitude, entendemos que não devemos esperar nada em troca, pois nesta vida aprendemos que sempre estamos precisando de alguém e há alguém precisando de nós”, afirma o rotariano. Ao fim do seu discurso, Luiz Carlos agradeceu a todos os rotarianos presentes, em especial aos envolvidos no projeto.

IMG_20170523_200043189

A presidente do Rotary Club Juiz de Fora Norte, Maria Aparecida Barra, e Moacyr Maciel fazem a entrega dos kits para o médico Leonardo Pandolfi e a enfermeira coordenadora da maternidade, Dircilene Alves de Andrade.

Rotary Club Juiz de Fora Norte recebe três novos associados

16 maio

A reunião do dia 16 de maio 2017 foi marcante para Aloísio José de Vasconcelos Barbosa, Enilda Rosa de Moraes e Wilson Ciryllo, que tomaram posse no Rotary Club Juiz de Fora Norte e passam a integrar a família rotariana. A noite foi marcada pelo discurso de saudação aos novos membros e por momentos de companheirismo entre os novos rotarianos e os antigos.

IMG_20170516_194547948

Reunião especial de posse dos novos membros do Rotary Club Juiz de Fora Norte.

Dois dos novos associados já participaram do Rotary anteriormente e hoje voltam a fazer parte do clube no Rotary Norte: o coach Wilson Cyrillo e o presidente da Associação Empresarial e Comercial de Juiz de Fora, Aloísio José de Vasconcelos Barbosa. “Nós que já fomos rotarianos um dia nunca deixamos de ser”, destacou Aloísio em suas primeiras palavras como rotariano.

A advogada Enilda Rosa de Moraes participa pela primeira vez do Rotary Club, mas tem em sua bagagem uma forte participação em projetos sociais. Formada em Direito e Serviço Social, já atuou como assistente social e hoje trabalha na área de Direito de Família.

IMG_20170516_200451307~2

Discurso de saudação feito pelo Governador do Distrito 4580 (gestão 2009-2010), José Antônio Cúgula Guedes.

A saudação aos novos rotarianos foi feita pelo Governador do Distrito 4580 (gestão 2009-2010), José Antônio Cúgula Guedes, que deu as boas vindas em nome de todos os associados e aproveitou o momento para resgatar características do clube, seus projetos e propósito. Cúgula enfatizou a união da comunidade rotariana e destacou os três pilares que são a base para as atividades desenvolvidas: companheirismo, serviço e ética. Também citou os milhares de projetos que “dão a dimensão da nossa tarefa como rotarianos” e destacou o que move o clube: “O Rotary é grande, é internacional, mas no fundo é carinho e cuidado”.

Associado do Rotary Norte participa de missão médica em Uganda

25 abr

O médico e associado do Rotary Juiz de Fora Norte, Guilherme Côrtes Fernandes, e o presidente do Rotary Juiz de Fora Sul, Waldir Andrade, estiveram juntos em uma missão em Kampala, Uganda, para desenvolver mais um projeto humanitário financiado pela Fundação Rotária. Na palestra realizada no dia 18 de abril, durante a reunião do Rotary Norte, os dois rotarianos puderam relatar as atividades desenvolvidas em projetos voltados à odontologia, oftalmologia e pediatria, e compartilhar histórias marcantes com os associados.

 

 

Desde 2004, Waldir tem participado das missões humanitárias que são desenvolvidas mundo afora, junto aos Estados Unidos, Canadá e Dinamarca. Desta vez, esteve presente em Uganda, onde conseguiram reunir um grupo com 34 participantes (entre rotarianos e voluntários), dos quais 11 são brasileiros e sete fazem parte do Distrito 4580. Unidos ao Distrito local, o 9211, os envolvidos conseguiram discutir os problemas locais e propor soluções, sem deixar de lado o propósito da missão, como destaca Waldir: “Todos tinham o mesmo objetivo: servir”.

Guilherme explicou que a quantidade de projetos humanitários que acontecem na região é muito grande, justamente pela falta de assistência que existe dentro do próprio país. Em Uganda, apenas 20% das pessoas têm algum tipo de emprego em uma população de 40 milhões de habitantes. No país, a expectativa de vida é de, em média, 52 anos de idade, sendo que as mortes são causadas principalmente por doenças preveníveis, como malária e HIV.

Rotina

Na parte da manhã, a equipe médica local e os voluntários se reuniam para estimular ideias de novos processos, debater temas relacionados à saúde pública, dar aulas e discutir os casos nas enfermarias do principal hospital de Kampala. Ao longo dos dez dias de projeto – que aconteceu entre 15 e 26 de março -, os rotarianos puderam ver de perto a precariedade de equipamentos para realização de exames e tratamento de doenças. “Não existe sistema de saúde, então eles dependem dessas ações”, enfatiza Guilherme.

À tarde, os trabalhos se desenvolviam nas comunidades e era oferecido atendimento para instituições, onde puderam ter contato com a evolução da prevenção e tratamento de doenças como a malária. O trabalho era realizado durante o dia todo junto a rotarianos e rotaractianos da região. “Esse esforço é de um valor enorme e nós voltamos com o coração preenchido”, comenta Guilherme. O médico destaca ainda que essa foi a sua grande experiência dentro do clube: “Em ações como essa a gente vê o impacto real do Rotary”.

Projetos financiados pela Fundação Rotária

De acordo com informações disponibilizadas pelo Rotary Internacional, 1.100 projetos são patrocinados por subsídios anualmente. Isso significa que a Fundação Rotária consegue financiar, em um nível global, uma grande diversidade de atividades que visam o desenvolvimento de projetos humanitários e troca de conhecimentos entre os países.

Os pedidos para financiamento de projetos globais, como o que foi realizado em Uganda, podem ser feitos durante o ano todo e são analisados por ordem de chegada. As solicitações devem corresponder a uma série de critérios que têm como objetivo a garantia de que os projetos tenham um impacto positivo na sociedade

%d blogueiros gostam disto: